Dezembro 2006


kids.jpg

Batatas fritas, refrigerantes sem fruta e alguns salgados devem ser eliminados dos bares e máquinas de venda nas escolas, aconselha um relatório entregue ao Ministério da Educação, que pretende que técnicos sanitários acompanhem a aplicação das novas regras.

De acordo com o jornal Diário de Notícias, os alimentos fornecidos nos bares e máquinas automáticas das escolas vão passar a ser supervisionados por técnicos sanitários, para acabar com alimentos com excesso de açúcares e gorduras, de acordo com um protocolo assinado esta semana entre os Ministérios da Saúde e Educação.

O jornal salienta que este documento faz recomendações às escolas, nomeadamente os valores máximos energéticos por cada alimento, quantidade de açúcar e gordura, em vez de dizer quais são os alimentos proibidos ou a composição exacta das refeições.

hospital_patient_content.jpg

Já se encontra disponível para doentes e familiares o primeiro guia sobre cancro da tiróide, uma patologia que afecta anualmente 500 portugueses, dos quais de 5-10% acabam por falecer.

“Cancro da Tiróide: O problema e a recuperação com qualidade de vida” é o nome do novo guia que pretende informar e esclarecer dúvidas a doentes e familiares sobre esta patologia. Pode consultá-lo neste link.

Prefaciado pelo Prof. Sobrinho Simões, um dos maiores e mais reconhecidos especialistas nesta área, o documento aborda diversas questões: O que é o cancro da tiróide?; Quais as principais causas deste carcinoma?; Estatísticas da doença em Portugal e no Mundo; e Formas de tratamento. Contém ainda testemunhos de sobreviventes ao cancro da tiróide e que contam as suas experiências de vida com o problema.

De acordo com dados recentes, na União Europeia o carcinoma da tiróide afecta aproximadamente 28 mil indivíduos todos os anos, com uma mortalidade anual de cerca de 2800.

Em Portugal estima-se que anualmente o cancro da tiróide seja diagnosticado a mais de 500 portugueses, dos quais cerca de 5-10% acabam por falecer.

A incidência anual do carcinoma da tiróide nas senhoras é superior à registada nos homens, afectando 445 mulheres e 88 homens. Este tipo de cancro está a aumentar em Portugal e, apesar de ser considerado pouco agressivo, pode comprometer a qualidade de vida dos doentes e a sua capacidade de trabalho.

O cancro da tiróide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula tiróide. Este tipo de tumores classifica-se de acordo com o grau de diferenciação das células e, com a sua origem tecidular, em carcinoma papilar, folicular, medular e anaplásico ou indiferenciado.

Os carcinomas papilar e folicular são os mais frequentes e englobam a classe de tumores bem diferenciados, pelo que se associam a melhor prognóstico. Os carcinomas medular e anaplásico têm um comportamento mais agressivo.

No tratamento do cancro da tiróide é importante manter um programa regular de consultas de acompanhamento com o médico, mesmo depois da tiroidectomia (remoção cirúrgica do carcinoma).

Para a realização destes exames, é necessário que o doente apresente níveis elevados de hormonas estimuladoras da tiróide (TSH) na circulação, de forma a estimular qualquer célula de tiróide existente – no leito da tiróide ou em metástases.

Apesar de não ser um tipo de cancro comum, a maioria dos cancros de tiróide pode ser tratada com sucesso e a taxa geral de sobrevida a cinco anos é de 96 por cento.

Mas, mesmo quando o tratamento é bem sucedido, é importante que os doentes façam exames de rotina para avaliar a possibilidade de recorrência. Isto porque até 35 por cento dos cancros da tiróide podem voltar a surgir, e um terço destes só surge 10 anos após o tratamento inicial.

Musculação

Um estudo publicado na revista Cancer Research afirma que os exercícios com pesos ajudam as mulheres que tiveram Cancro da Mama a melhorar a sua qualidade de vida.

A pesquisa foi realizada entre o final de 2001 e o início de 2002 e contou com a participação de 86 mulheres que tiveram a doença nos três anos anteriores. Metade das participantes iniciou um plano de exercício com pesos durante seis meses, enquanto as outras não efectuaram exercício físico.

Após esse período, os investigadores fizeram um questionário com perguntas relacionadas com o bem-estar físico, o casamento e à actividade sexual das participantes. As mulheres que começaram a fazer exercício físico sentiram uma maior melhoria nestas áreas. Também se caracterizaram como “ mais fortes, velozes e confiantes”, factores que as ajudaram a recuperar a sensação de que controlavam os seus corpos.

Segundo investigações anteriores, o exercício aeróbico, como a caminhada, ajuda a melhorar a qualidade de vida das pacientes.

Para os autores do actual estudo, incluir a musculação pode ajudar ainda mais estas mulheres a lidarem melhor com seu corpo e com a vida.

As mulheres que sobrevivem a um Cancro da Mama apresentam frequentemente uma série de sequelas como Insónia, Aumento de Peso, Fadiga Crónica, Depressão e Ansiedade.

comida_sal.jpg

Em Portugal, a McDonald’s serve hambúrgueres com mais 20 a 30% de gordura e mais 30% do sal do que em outros países, revela um estudo da DECO (Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores), divulgado pelo jornal “Diário de Notícias”.

Os cereais Weetos têm quase o dobro de sal dos vendidos na Bélgica; o Kinder Bueno espanhol tem menos 60% de açúcar. Quer isto dizer que “o mercado português vende produtos menos saudáveis”, conclui um estudo comparativo realizado em Espanha, Bélgica, Itália e Portugal, publicado na Teste Saúde.

As associações de consumidores dos quatro países compararam 92 produtos de marcas comuns: cereais de pequeno-almoço, iogurtes, gelados, chocolates, aperitivos à base de batata, pratos preparados e menus da cadeia McDonald’s. Além do peso, analisaram a composição nutricional, nomeadamente a quantidade de gorduras, de açúcar e de sal.

Jogos de Video

Os jogos de vídeo violentos estimulam nos adolescentes a actividade das regiões do cérebro ligadas às emoções e reduzem as respostas das zonas que comandam o raciocínio e o autocontrolo, segundo um estudo da Indiana University School of Medicine, EUA.

“A nossa investigação sugere que jogar certos jogos de vídeo violentos pode ter efeitos diferentes, a curto prazo, nas funções cerebrais do que jogar jogos de vídeo não violentos mas interessantes”, explica Vincent Mathews, professor de Radiologia da Indiana University School of Medicine e principal autor do trabalho.

O investigador e a sua equipa efectuaram este estudo com 44 adolescentes, com idades entre 13 e 17 anos, escolhidos ao acaso e sem problemas de comportamento.

Metade do grupo jogou durante 30 minutos um jogo que simulava um combate militar muito violento, enquanto a outra metade entreteve-se com um jogo não violento mas interessante.

No final da sessão, os participantes fizeram testes para medir a concentração e a inibição, enquanto o funcionamento do cérebro era observado em tempo real por Ressonância Magnética (IRM).

Os do grupo que jogou o jogo violento mostraram uma maior actividade na amígdala, sede da excitação emocional no cérebro. Em contraste, os que jogaram o não violento revelaram uma maior estimulação da parte pré-frontal do cérebro, ligada ao autocontrolo, precisou o investigador.

O conteúdo violento dos jogos de vídeo tem sido objecto de tentativas de regulamentação pelo Congresso dos Estados Unidos que, até agora, só resultaram num sistema de classificação semelhante ao utilizado para os filmes.

Dia Mundial da Luta Contra a Sida

Hoje, Dia Mundial de luta contra a Sida, multiplicam-se por todo o mundo campanhas contra a doença. Em Portugal, a data é assinalada com a apresentação do novo Programa Nacional de Prevenção da doença que vai vigorar até 2010.

Entre as metas a atingir está a necessidade de tornar mais eficaz identificação de novos casos de doentes infectados.

A Coordenação Nacional para a Infecção do VIH/Sida defende que a solução poderá passar por permitir que os laboratórios, as farmácias hospitalares e os 18 Centros distritais de aconselhamento e Diagnóstico para além dos médicos sejam capazes de notificar a doença.

Vinte e cinco anos depois de detectado o primeiro caso, a Sida já matou mais de 25 milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, há cerca de 30 mil pessoas identificadas com o vírus HIV, mas estima-se que o número de casos existentes seja muito superior aos dados oficiais.